Meio Ambiente Iguaba Grande

  • Perfil Ambiental

Iguaba Grande fica no bioma da Mata Atlântica, é o menor município da Costa do Sol e também da Lagoa de Araruama, onde uma estreita faixa de areia branca forma formosas praias de águas claras e mornas. Na beira da lagoa os quiosques acomodam turistas, que contemplam a paisagem da lagoa e da serra de Sapiatiba nos piers e no calçadão. Na floresta da serra árvores grandes se destacam, formando um mosaico com a vegetação semiárida que ali também habita. Pelo município corre o pequeno rio Ubá, que encontra a laguna no lugar onde o Centro da cidade se desenvolveu. Além de todos estes atrativos, em Iguaba Grande foi encontrada uma rochas de aproximadamente 2 bilhões de anos, demonstrando o quão antigo é o lugar.

 

  • Bio Diversidade

A Biodiversidade de Iguaba Grande é uma grande mistura de árvores típicas de áreas úmidas e árvores de áreas secas, passando por brejos, serra, e cordões arenosos. Em parte é influenciada pela Lagoa de Araruama, e no interior pelos brejos e áreas úmidas. Devido a essa diversidade de ambientes vários tipos de florestas foram formadas. Nas partes mais altas, como na serra de Sapiatiba, se misturam dois tipos de floresta, cujas árvores são verde durante o ano todo e outra que as arvores perdem parte das folhas no inverno. Algumas árvores tipicas da caatinga se misturam. A restinga, vegetação típica de áreas arenosas, se encontra as margens da Lagoa de Araruama. As plantas são pequenas de folhas duras e a mata fechada, atingindo 12 metros de altura. Na ponta da farinha, a vegetação não ultrapassa 5 metros e não varia muito, ocorrendo poucos tipos de árvores. No interior de Iguaba Grande, e misturado aos outros tipos de floresta, os brejos e áreas úmidas se formam nas áreas baixas, e em extensas áreas de brejo se desenvolve uma floresta úmida, com árvores de até 25 metros. A fauna já foi mais rica, abrigando espécies ameaçadas de extinção como o bugio e a preguiça de coleira. Ocorrem hoje espécies ameaçadas de extinção, raras e vulneráveis, tanto de anfíbios, répteis, aves. Os mamíferos são pequenos, como o gambá, a paca, cutia, preá.

 

  • Hidrografia

Iguaba Grande é um pequeno município formado as margens da maior lagoa hipersalina do mundo, a Lagoa de Araruama. A sua hidrografia é formada por pequenos rios que vão de encontro a Lagoa de Araruama, entre eles o rio Ubá. A região é plana, favorecendo a formação de alagados e brejos. Iguaba Grande possui diversas praias formadas por uma estreita faixa de areia branca as margens da Lagoa de Araruama. As águas são mornas e calmas, de tonalidades verdes.

Principais rios
Bacia Hidrográfica da Lagoa de Araruama: rios Ubá, Iguaçaba.

Principais Praias
Praia do Centro, praia da Cidade Nova, praia da Caieira, praia da Aldeia 99, praia da Ponta da Farinha.

 

  • Geologia

Em Iguaba Grande, as margens da Lagoa de Araruama, se observam belas exposições das rochas mais antigas do Estado do Rio de Janeiro, formadas pela cristalização de lavas quentes a dois bilhões de anos atrás, evidenciando a presença do oceano ali a 520 milhões de anos, quando todos os continentes se juntaram para formar o super continente Gondwanda. A cidade fica as margens da laguna de Araruama, formada a 7 mil anos atrás quando as dunas da restinga da Massambaba se estabilizaram e pelas oscilações do nível do mar.

Tipo de Rochas e minerais
Ortognaisse, Muscovita, Silimanita

Curiosidade
As rochas da Serras da Sapiatiba e Sapiatiba Mirim foram formadas a aproximadamente 1 bilhão de anos atrás, quando o continente existente nesta região foi gradualmente inundado por um oceano, muito mais velho do que o atual Atlântico. As rochas foram geradas pela acumulação de sedimentos neste antigo mar. Seu alto conteúdo de minerais de alumínio revela que os principais detritos sedimentares eram lamas. Esta bacia sedimentar compreende as rochas da região de Búzios e as das serras da Sapiatiba, do Mato Grosso e do Palmital.

 

  • Saneamento

A água distribuída em Iguaba vêm do reservatório de Juturnaíba, formado por uma barragem no rio São João. A água captada é tratada na Estação de Tratamento de Água de Juturnaíba, operada pela PROLAGOS, que capta 1.200 litros de água por segundo. Depois de tratada, a água chega as casas através de uma complexa rede de distribuição de 1.357km, formada por adutoras, casas de bombas, estações de manobras e reservatórios.
Depois de utilizada nas residências, a água descartada na cozinha, no banho e nas descargas retorna ao ambiente na forma de esgoto. Em Iguaba, o esgoto é captado pelo sistema de tomada a tempo seco, que envolve a captação do esgoto no rio Salgado, que é levado para ser tratado na Estação de Tratamento de Esgoto de Iguaba Grande, operado pela PROLAGOS. O tratamento retira a quantidade excessiva de nutrientes da água, como o nitrogênio e o fósforo, que retorna ao ambiente causando menos impactos.